Anestesia no parto normal: mitos que você precisa saber

WhatsApp Image 2020-02-14 at 17.54.05

Você sabe o que é o parto normal com anestesia?

Com o avanço da ciência, a mulher passou a ter mais opções na hora de ter seu parto. Antigamente não havia escolha, a mulher tinha que sentir dores na hora de parir.Hoje é possível receber medicações na hora do nascimento do bebê, durante o trabalho de parto e, com isto, ter alívio das dores.Os analgésicos diminuem a dor sem que você perca de sensibilidade ou movimento muscular. Já os anestésicos bloqueiam a maioria dos sentidos, inclusive a dor.

Existem dois tipos principais de anestesia no parto normal. A peridural e a raquidiana (ráqui), cada uma formada por uma mistura de substâncias. A peridural, uma forma muito usada na anestesia no parto normal, a medicação é aplicada aos poucos, por um cateter fino, conforme a gestante sente necessidade. Ela faz efeito em cerca de dez minutos e permite que a mulher ande e sinta as suas contrações. A ráqui também é aplicada via cateter em caso de parto normal, mas sua duração costuma ser mais longa (cerca de uma hora), o que torna a reaplicação mais espaçada, e não permite que a gestante caminhe, por isso é menos usada durante o trabalho de parto.

A seguir alguns mitos em relação a anestesia no trabalho de parto:

A anestesia atrapalha no trabalho de parto?

MITO! A anestesia reduz a sua dor, entretanto você ainda vai sentir as contrações. Assim, será capaz de abaixar e empurrar o bebê através do canal de parto.Quando a anestesia é feita na dosagem correta e por um médico competente, ela pode até ajudar nos trabalhos de parto que estão estacionados, tendo em vista que um dos motivos de o parto não estar progredindo pode ser a dor sentida pela mulher. Por outro lado, quanto mais a dilatação tiver evoluído no momento da aplicação, melhor, pois quando ela é introduzida muito cedo, há o risco de o ritmo de evolução desacelerar, e prolongar o período de trabalho de parto.

A anestesia afeta o meu bebê?

   MITO! Quando utilizadas obedecendo os critérios de segurança e qualidade, as técnicas preconizadas para anestesia ou analgesia obstétrica dificilmente produzem efeitos adversos sobre o bebê. Entretanto, mãe e feto estão intimamente ligados pela circulação placentária, então, a depender da droga a ser utilizada, o feto poderá receber quantidades do medicamento. A maioria das substâncias utilizadas pouco ou quase nada interfere com o feto. Entretanto, existe o risco de haver uma alteração temporária na frequência cardíaca e padrão respiratórios do bebê. A sonolência, tônus ​​muscular reduzido e amamentação reduzida após o parto também são alguns efeitos que podem acontecer.

A mulher não tem direito a anestesia no parto humanizado?

MITO! No parto humanizado geralmente a equipe busca outros mecanismos contra a dor, por meio de medidas não farmacológicas. Como técnicas de hypnobirthing, massagens corporais, técnicas respiratórias, banho morno, acupuntura e dentre outras. Entretanto, quando a dor da gestante é muito intensa ou quando for de sua vontade a analgesia ou a anestesia, essa ferramente irá ser usada.

A anestesia epidural causa muitos efeitos colaterais?

   MITO! É verdade que existem efeitos colaterais da anestesia, entretanto, a maioria das gestantes apresentam sintomas leves e facilmente tratados com outros medicamento, como prurido (coceira), retenção urinária ou náuseas. Também podem ocorrer tremores e hipotensão postural (queda de pressão ao se levantar).

Deseja saber mais sobre o parto? Faça um de nossos cursos!

Assista a esta animação da anestesia para o parto normal.

Assista esse vídeo de técnicas de alívio da dor no parto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on google
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat