Pílulas afetam a fertilidade?

pilulas-anticoncepcionais-instituto-villamil-1

 pilulas-anticoncepcionais-instituto-villamil-2

 

Pílulas afetam a fertilidade? Os anticoncepcionais hormonais orais, ou pílulas anticoncepcionais, correspondem ao método contraceptivo mais utilizado em todo o mundo. Estima-se que aproximadamente 70% das mulheres brasileiras em idade reprodutiva utilizam algum método contraceptivo, sendo o anticoncepcional oral combinado o método mais comum.

Esse contraceptivo é bastante popular pela facilidade de administração e disponibilidade em farmácias e postos de saúde. Além disso, a pílula apresenta uma boa eficácia, a falha ocorre em menos de uma a cada 100 mulheres/ano quando o uso é feito adequadamente.

Apesar de sua ampla utilização, muitas mulheres ainda apresentam dúvidas, em especial quando se diz respeito a relação entre o uso e a fertilidade feminina: tomar a pílula continuamente impacta na fertilidade e pode trazer dificuldades para engravidar no futuro?

 

OS ANTICONCEPCIONAIS ORAIS (ACO)

pilulas-anticoncepcionais-instituto-villamil-3

Os anticoncepcionais orais podem ser classificados quanto aos hormônios utilizados na sua composição e de acordo com sua dosagem hormonal.
A formulação mais comum é o anticoncepcional oral combinado, que contêm estrogênio e progesterona no mesmo comprimido, similares aos hormônios ovarianos. As pílulas combinadas podem ser classificadas também como monofásicas, quando todos os comprimidos apresentam as mesmas doses de estrógeno e progesterona, bifásicas, quando existem duas doses diferentes, e trifásicas, quando há variação tripla na dose hormonal.

Existem também as pílulas só de progestagênios, as minipílulas, que consistem em comprimidos que contendo doses baixas de um progestagênio. Por não conterem estrogênio, as minipílulas são indicadas em situações em que há uma contraindicação para o uso deste e em casos em que a paciente apresenta efeitos adversos decorrente do uso desse hormônio.

 

pilulas-anticoncepcionais-instituto-villamil-4As pílulas anticoncepcionais podem conter uma combinação de estrogênio e progesterona, ou serem formuladas apenas com doses baixas de progesterona.

 

COMO FUNCIONAM AS PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS?

 

As pílulas combinadas agem bloqueando a ovulação. A progesterona presente no comprimido, associada ao estrógeno, impede o pico do hormônio lutenizante, LH, responsável pela ovulação, no chamado bloqueio gonadotrófico. Esse bloqueio constitui o principal mecanismo de ação desse grupo de anticoncepcionais, porém outros efeitos também atuam dificultando a concepção.

Dentre esses efeitos acessórios podemos destacar a mudança no muco cervical, que torna mais difícil a chegada dos espermatozoides, a alteração na movimentação das trompas e a inibição da proliferação do endométrio que torna o ambiente uterino inóspito para a fecundação.

Em contraposição, as minipílulas em sua maioria não atuam impedindo a ovulação. Em algumas preparações é possível que haja a inibição, dependendo da dose e tipo do progestagênio. Porém, a ação dessas pílulas se dá pelos efeitos acessórios de espessamento do muco cervical, diminuição da motilidade tubária e alterações endometriais.

Os anticoncepcionais combinados atuam bloqueando o pico de LH, hormônio responsável pela ovulação.

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS AFETAM A FERTILIDADE?

Então, os anticoncepcionais hormonais baseiam-se na mimetização dos hormônios femininos e estudos recentes mostraram que esse método contraceptivo não tem interferência direta nas chances futuras de engravidar.

A grande questão envolvida no uso prolongado das pílulas está no fato de que esse método pode mascarar outros problemas que são potenciais causadores de infertilidade. Dessa forma, mulheres que apresentem, por exemplo, endometriose ou síndrome dos ovários policísticos, podem passar anos em uso da pílula sem possibilidade de diagnóstico clínico e laboratorial dessas condições. Por isso, quando suspendem o método podem não serem capazes de engravidar, em decorrência da doença de base e não do ACO, o que pode levar a uma associação errônea entre o uso da medicação e a dificuldade em conceber.
Estudos sugerem que, ao cessar o uso do método, o retorno a fertilidade habitual ocorre rapidamente, em média depois de 4-5 ciclos após a interrupção.

É importante ressaltar que o uso de anticoncepcionais hormonais não interfere na reserva ovariana, ou seja, apesar de não haver a ovulação em alguns casos, os óvulos não são poupados e sofrem atresia normalmente.

 

Em suma, as pílulas anticoncepcionais são métodos complexos que envolvem o ciclo menstrual feminino, porém que não trazem impactos significativos na fertilidade. Dessa forma, pacientes que desejam engravidar em breve e façam uso do método, devem procurar atendimento médico para que a medicação seja suspensa. E, em casos em que haja dificuldade persistente na concepção, seja realizada a investigação adequada para outras possíveis causas.

pilulas-anticoncepcionais-instituto-villamil-5

 

LEIA MAIS:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on tumblr
Share on google
Share on pinterest

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat